Afiliado a:

Sindmepa Informa – 18-02-2014

VERGONHA

Dados da Confederação Nacional de Saúde (CNS) apontam que em 2013 somente 10,2% do PIB nacional foram aplicados na área da saúde. O setor público, que atende 150 milhões de usuários, recebeu 43% dos recursos, enquanto que o setor privado, responsável pelo atendimento de 50 milhões de usuários ficou com 57% dos valores. Uma vergonha. Isso explica o caos no sistema público e a preocupação do Governo Federal em tentar impedir a todo custo a aprovação do projeto Saúde + 10, que significaria um adicional de 10% do PIB para o SUS.

PCCR SÓ EM MARÇO

Foi o que garantiu a secretária de Estado de Administração, Alice Viana, em audiência na terça-feira passada. Os sindicalistas presentes foram informados de que o Estado já cumpriu com uma boa etapa do projeto, como o detalhamento das atribuições de cada cargo e o diagnóstico qualitativo e quantitativo dos servidores da saúde.  Para não esbarrar na Lei de Responsabilidade Fiscal, o Estado está finalizando o estudo do impacto financeiro do projeto para apresentar um plano completo para avaliação dos sindicatos. Estamos aguardando.

CASA DE FERREIRO ESPETO DE PAU

Os funcionários da Superintendência do Trabalho e Emprego (SRT), que tem por função fiscalizar os locais de trabalho das empresas privadas, lavraram termo de interdição do prédio da Superintendência Regional do Trabalho em Belém (Gaspar Viana), por falta de condições de trabalho. Sem falar no esvaziamento do quadro funcional que há anos a Superintendência vem sofrendo. Agora recorrer a quem, ao bispo?

PARCERIA RENOVADA

Uma reunião realizada na sede do CRM-Pará renovou a parceria entre as entidades médicas do Estado. A manutenção das parcerias é uma prova de que as entidades podem andar de mãos dadas, ainda que cada uma tenha suas ações específicas. O importante é que nas ações de interesse coletivo possam estar juntas para fortalecer o sistema de saúde público e privado e defender os interesses da sociedade.

MÉDICOS MILITARES

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que autoriza médicos militares a trabalhar em unidades de saúde e hospitais civis fora de seu expediente, corrige uma injustiça de não podermos contar com os excelentes serviços prestados pelos colegas, tanto no serviço público como privado. Vai contribuir para aumentar o número de médicos qualificados para atender no SUS. Porque não ampliar esta PEC e o programa Mais Médicos aos outros profissionais de saúde? Querer obrigar os médicos a trabalhar no caótico sistema público de saúde, em péssimas condições de trabalho e salário indigno, é demais.

SANTA CASA

De um modo geral, foi boa a impressão que ficou na primeira visita técnica oficial feita pela diretoria do Sindmepa ao novo prédio da Santa Casa. Porém, alguns ajustes precisam ser feitos. Um exemplo é a parte administrativa do hospital que ocupa quase todo o 2º andar, quando poderia permanecer no prédio antigo. Outro problema é a regulação que não funciona e a falta de profissionais como anestesistas, neonatologistas, intensivistas pediátricos e técnicos de enfermagem para fazer funcionar alguns setores. O relatório da visita está em fase de conclusão e será encaminhado às autoridades, como de praxe.

Deixar um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.