Afiliado a:

Sindmepa Informa – 07.01.2018

SEM SAÚDE E SEM SUS

Começou a valer esta semana o novo projeto de lei sobre os Planos de Saúde. Entre as mudanças está o reajuste das mensalidades da última faixa etária que será dividido em cinco parcelas pagas quando o beneficiário completar 59, 64, 69, 74 e 79 anos. A lei antiga proibia o aumento a partir dos 60 anos. Para a Abrasco, o PL somado ao teto de gastos públicos pode levar a uma grave crise no País em que a classe média não terá nem plano de saúde, nem o SUS. Isso porque o plano de saúde bom será caro e o sistema público estará sucateado.

ESF BELÉM

Mesmo com a recente expansão do programa Estratégia Saúde da Família em Belém, o percentual de cobertura atingiu apenas 20% da população, isto explica porque as UPA’s e os Prontos Socorros do município não dão conta de atender a demanda reprimida causada pela falta de atendimento na atenção primária.

EXPECTATIVA

Os moradores dos bairros do Guamá e da Terra Firme aguardam com grande expectativa a inauguração da UPA da Terra Firme, prometida para o dia 12 de janeiro. É que além da solução dos problemas da Urgência e emergência do bairro, existe a esperança da transferência do atendimento Pronto Socorro do Guamá para esta UPA e que, por fim, seja feita a reforma do mesmo.

UPA MARIGUELLA

Ao custo de quase 3 milhões de reais e com indícios de superfaturamento pela Controladoria Geral da União, o prefeito de Ananindeua, Manoel Pioneiro finalmente inaugurou, na data de aniversário do município, a UPA Carlos Mariguella, no bairro do Aurá. A obra, que começou no dia 27 de maio de 2014 e deveria ter sido entregue dia 27 de dezembro do mesmo ano, só foi inaugurada no dia 03 de janeiro de 2018, quase quatro anos depois, com a promessa de 4.500 atendimentos por mês. Além dos perrengues para entrega da UPA, a Sesau também paga salários irrisórios para os médicos de Ananindeua. Lamentável!

SEM PAGAMENTO

Médicos e corpo técnico do Hospital Santo Antônio Maria Zacarias, em Bragança, estão sem receber salários há três meses. O hospital, que pertence a diocese da cidade, afirma que o governo está atrasando as liberações do convênio que mantem com a instituição. Em oficio, o Sindmepa cobrou e aguarda explicações do Diretor Técnico do Hospital a respeito do assunto e denunciou a falta de pagamento dos meses de outubro, novembro e dezembro de 2017 ao promotor de Justiça do polo de Bragança, MPE e CRM-PA.

Deixar um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.