Afiliado a:

Golpe na Fenam

No período de 29 a 30 de novembro de 2013 realizou-se, no Rio de Janeiro o Congresso Extraordinário da Fenam “Charles Damian”. As irregularidades perpetradas pelo presidente da entidade, Geraldo Ferreira Filho, desde a convocação do conclave até a condução do evento, configuram um golpe branco.

A convocação do Congresso foi feita de maneira secreta e irregular. O presidente afirma que 16 sindicatos chancelaram a convocação, mas não exibiu estes documentos em nenhum momento. Suspeita-se que muitos dos signatários há muito não participam ativamente da vida associativa da FENAM ou estão estatutariamente irregulares. A pauta do Congresso, quase exclusiva, foi a prorrogação do mandato do presidente, ideia fixa e o maior objetivo do Sr. Geraldo Ferreira Filho à frente da FENAM.

Nenhuma instância coletiva deliberou sobre qualquer aspecto da condução dos trabalhos. O presidente convocou uma reunião da executiva para o dia 28/11, véspera do Congresso, e este órgão de deliberação não conseguiu votar sequer a Comissão de Credenciamento, pois o presidente recusou-se a colocar a proposta em votação. Aliás, nenhum item da extensa pauta foi discutido e votado.

A Comissão de Credenciamento, indicada manu militari pelo presidente, credenciou delegados de sindicatos não aptos a participar dos trabalhos por não cumprirem disposições estatutárias para tal; negou o credenciamento de delegados de sindicatos plenamente aptos (Roraima e Amapá); credenciou delegados de sindicatos inadimplentes financeiramente e ainda, credenciou delegados de sindicatos que há muitos anos não participam da FENAM. Todas estas manobras com o objetivo de obter a maioria dos votos no Congresso a fim de prorrogar o mandato do presidente.

Na abertura dos trabalhos o presidente recusou-se a submeter ao soberano plenário do Congresso os recursos dos sindicatos prejudicados e os credenciamentos irregulares realizados pela viciada Comissão de Credenciamento. Assim, não foi estabelecido o regular e regimental colégio de votantes. Também não foi lido e submetido à aprovação do plenário o regimento interno do Congresso.

Pressionado pelos congressistas a colocar as questões de ordem em votação, o presidente, protegido por três seguranças, passou a ler em altos brados os itens do estatuto, objeto de deliberação, e ao final, gritou descontrolado, que estavam todos aprovados. Assim deu-se a suposta aprovação das mudanças propostas no edital e que dariam mais um ano de mandato a Geraldo Ferreira Filho.

Os delegados do Sindicato dos Médicos do Pará, presentes ao evento, desmentem, categoricamente, que tenha havido qualquer decisão, principalmente de forma aclamatória como divulgado no site da Fenam, pois não houve sequer votação, a qual deveria ter sido realizada de forma nominal como previsto estatutariamente.

O Sindicato dos Médicos do Pará entende que o presidente da Fenam vem agindo de forma autoritária, antidemocrática e arbitrária, tomando decisões ao arrepio do estatuto e das leis, defendendo interesses pessoais, aferrando-se desesperadamente ao poder. Além disso, age sem transparência na aplicação dos recursos financeiros colocando em suspeição o uso do dinheiro oriundo dos médicos brasileiros, arrecadados por meio dos sindicatos. Todas essas distorções foram exacerbadas ao extremo por ocasião do Congresso acabando com a legitimidade do mandato do atual presidente.

Belém, 03 de dezembro de 2013

Diretoria colegiada do Sindmepa

Deixar um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.